Moscas volantes em crianças…

abril 8, 2012

Este post foi escrito em esclarecimento a uma internauta. Vou ao longo do texto pontuando (sem negrito) algumas observações.

“Minha filha tem 13 anos de idade. Sempre consultou oftalmologista, desde pequena, uma vez por ano. Usa óculos (0,25) “para descanso”. Há dois meses está vendo moscas volantes e “cobrinhas transparentes“.
Causas importantes e que necessitam tratamento imediato e/ou outro tipo de intervenção já foram descartadas através do mapeamento, da US e da angiofluoresceinografia que não mostraram qualquer processo inflamatório-infeccioso.

Achei teu blog, em uma das minhas mil pesquisas à internet sobre o assunto. Estou muito preocupada, com medo de que isso nunca mais vá sumir ou que piore..
O descolamento do vítreo anterior e/ou posterior,a liquefação e/ou sinerese vítrea não são reversíveis.No máximo os sinais e sintomas podem ser minimizados através conduta cirúrgica que eu não me atreveria a indicar.Pelo menos não neste contexto atual.

Ela já consultou três oftalmologistas. Foi agendada uma angiografia para descartar qualquer possibilidade de algo “errado”. Já dilatou a pupila duas vezes e nada apareceu de descolamento e/ou ruptura da retina. Não houve nenhum episodio diferente que pudesse justificar o sintoma.

Sempre existe um antecedente.Apenas não somos capazes de lembrar ate por se tratar na maioria das vezes de situações cotidianas comuns (uma gripe, um resfriado seguido de uma vitreite discreta e pouco ou nada sintomática, mas que meses depois após cavitação intensa do vítreo seguida de descolamento -na maioria das vezes- levam aos sintomas).

Sempre ao entardecer melhora. O que também acontece em ambientes com luz indireta, artificial, ao contrario da luz natural (claridade da rua).
Este fato é referencia comum em relação às moscas volantes e os vários outros tipos de floaters ou fibrilas de vítreo condensado.Eu mesma prefiro ambientes mais escuros e por algum tempo mantive (após DPV agudo) o consultório na penumbra e evitei fazer atendimentos pela manhã.

Durante quase dois meses se queixava, ficava irritada, nervosa, mas ia levando, aparentemente, bem. Com o reinício das aulas piorou. O médico diz que é a concentração na figura do professor, no quadro, na folha de papel… Ela adora ler, mas enxerga as moscas “voando” na frente do texto.

Além do estresse do convívio social escolar e da relação professor-aluno, se ela estudar no turno da manhã os sintomas estarão intensificados.

Não sei se é importante, mas ela iniciou uso de anticoncepcional (por indicação médica e em caráter experimental) há três meses. SOP (sindrome dos ovários policísticos)? Vem utilizando também antiinflamatório (Feldene) para as cólicas menstruais que são muito intensas. Insisti tanto, que o médico vai solicitar um exame de toxoplasmose, embora Ele já tenha dito que não existe indicação para tal.

Mesmo que ela seja positiva para toxolasmose (IGG e não IGM) não significa que ela tenha tido manifestação oftalmológica (que é bem clássica e deixa cicatriz corioretiniana) e portanto não existe nenhuma indicação de tratamento. Um indivíduo soropositivo para toxoplamose (boa parcela da nossa população) pode nunca ter manifestação de doença oftalmológica. Além disso, o tratamento consiste em matar o parasita quando ele está na livre na corrente sanguinea e oferece risco;mas quando encistado (forma de vida durante quase todo o tempo em que ele habita o nosso corpo, numa espécie de simbiose conosco), não há o que fazer. É como o virus HVZ (varicela zoster) que quando somos crianças é responsavel por uma das doenças infantis comuns – a varicela ou catapora. Depois passa a viver dentro de algumas das nossas células e quando idosos ou com diminuição importante da nossa imunidade ele virus torna a causar doença e ressurge sob a forma de um episodio de Herpes Zoster facial ou intercostal ou outra apresentação menos comum”.

Não se angustie… de nada adianta. Temos que aprender a ajudar nossos filhos a vivenciar da melhor forma os problemas que sempre podem existir e que costumam ser mais comuns ou mais percebidos como incomodo importante naquelas pessoas mais “sensíveis”, mais ansiosas, mais angustiadas, menos bem resolvidos emocionalmente. É um caminho longo e árduo… mas que na maioria das vezes independe de um remédio milagroso e sim de aprendizado longo e necessário. A causa orgânica neste momento da vida dela é o menos importante. Creio que ela precisa saber como evitar ou minimizar os sintomas. E saber também que os sintomas (moscas volantes) não estarão sempre presentes. Melhoram com o tempo, com certeza!

Nós mães ansiamos por evitar os males e sofrimentos dos seus filhos, mas depois aprendemos que o melhor é ensiná-los a conviver com eles, se eles já estão presentes. E num segundo momento ensiná-los a buscar uma vida mais saudável. É o que podemos fazer para minimizar eventos futuros que se somam aos já existentes e levam a uma qualidade de vida pior.

Abraços,

Elizabeth


%d blogueiros gostam disto: