Infiltrados corneanos na conjuntivite adenoviral…

abril 15, 2012

“Há cerca de três anos tive uma inflamação nos olhos e ao procurar o oftalmologista, ele disse se tratar de uma conjuntivite viral causada por adenovírus. Na época apresentei os seguintes sintomas: olhos vermelhos, edema das pálpebras, gânglios próximo a orelha, dores intensas nos olhos. Passados alguns dias, constatei que a minha visão estava “embaçada” e por isso retornei ao médico. Ele então me receitou Florate. Porém, finalizado o tratamento, os sintomas voltaram a aparecer e procurei outro médico que me receitou Predmild.

Pouco tempo após o fim do tratamento a visão voltou a ficar ruim. Marquei nova consulta e passei a fazer tratamento utilizando a pomada Tacrolimus. O fato é que ao longo desses três anos, os sintomas voltaram a aparecer diversas vezes (mais ou menos nove vezes), e passei a sentir insegurança e achar que talvez eu tenha outra doença que justifique o aparecimento dos infiltrados na minha córnea. Lembro que na época que tive a primeira manifestação da doença eu estava com herpes na região da boca (perguntei para a médica se podia ser herpes ocular, mas ela disse que aparentemente não, pois não havia vesículas).

Existe possibilidade de ser herpes ou outra doença?

Quais as possíveis explicações para a doença ter voltado a se manifestar tantas vezes?”

A doença herpética corneana costuma evoluir de forma bem diferente (bem documentada e exaustivamente estudada). Costuma seguir padrões específicos. Apenas o primeiro episódio da doença herpetica pode simular uma conjuntivite viral (por adenovirus).

A conjuntivite adenoviral pode formar membranas conjuntivais (palpebrais) e reação epitelial corneana importante. Alguns pacientes evoluem bem, mas em outros indivíduos,quando os sintomas da conjuntivite desaparecem, a visão fica borrada devido aos infiltrados sub-epiteliais corneanos que indicam a segunda fase da doença. Quando os infiltrados são centrais e prejudicam de forma importante a visão, colírios corticosteróides são prescritos. Em alguns pacientes a retirada da medicação, mesmo sendo feita de forma lenta, resulta no retorno da sintomatologia. São os casos refratários (não à medicação, mas à sua retirada!).

Muitas vezes na fase crônica da doença adenoviral apenas o uso de colírio de ciclosporina A parece acelerar (e manter por tempo prolongado) a regressão dos infiltrados sub-epiteliais.

Você pergunta o porquê das recidivas…nós médicos não sabemos com certeza o que diferencia a evolução nos vários indivíduos. A imunidade com certeza é um fator (imunodepressão ou positividade para qualquer doença auto-imune). A coexistência de hipoparatireoidismo, episódios repetidos de candidiase ,alergia respiratória e/ou de pele ou historia prévia de cirurgia refrativa parecem estar relacionados em alguns outros casos.

Procure conversar com seu oftalmologista e avaliar a melhor conduta terapêutica no seu caso.


%d blogueiros gostam disto: