Busca

Dúvidas em Oftalmologia

conversando com o oftalmologista…

Tag

tração vitreo-retiniana

Toxoplasmose ocular e moscas volantes: convivendo com…

“Há cerca de três meses e meio a toxoplasmose se manifestou no meu olho esquerdo, fiz o tratamento e não vejo a cicatriz. Como consequência da inflamação no olho, fiquei com inúmeras moscas volantes ( muitos mini pontinhos, teias e riscos) quando mecho o olho rápido parece que uma fumaça passa por mim. O médico disse que a maioria iria desaparecer. Porém, há uns dois meses, tenho notado moscas volantes no meu olho direito, fiquei desesperada. Fui ao médico e após me examinar disse que não viu nada, e me recomendou fazer outro mapeamento de retina no começo de Julho. Só que a cada dia vejo mais pontinhos, e principalmente teias e risco no olho, que às vezes ficam coloridas. Tenho apenas 16 anos, sempre estudei muito, e tenho muito medo de não poder seguir a profissão que quero por esse problema. E muito complicado pra mim, desde que foi diagnosticada a doença fico muito triste. Todos os oftalmologistas dizem que não há nem um tratamento e dizem pra ir convivendo, mais não sabem o quanto é difícil. Não tenho animo mais de estudar, por que penso que não vai adiantar nada.
Aguardo opinião sobre as moscas volantes e se elas vão me atrapalhar futuramente”.

Devemos dar a esse diagnóstico/episódio (retinocoroidite por toxoplasmose) a dimensão real dele: passado! As sequelas incômodas, as moscas volantes,essas estarão sempre conosco, porem o “cérebro” nos ajuda, com o passar do tempo, a minimizá-las e até mesmo ignorá-las por completo! Apenas nos dias (e atividades) mais estressantes ou em que o contraste das imagens positivas e negativas (luz e sombra, preto e branco) são mais “agressivos” nós lembramos dos incômodos pontos e teias pretos!

Alguém já disse que o tempo é o melhor remédio! Inclusive para as moscas volantes. E, sim, é verdade que elas existem desde sempre e na maioria das vezes pouco ou nada incomodam! Mas alguns indivíduos (eu me incluo entre eles) não têm tanta habilidade para não se deixar influenciar pela presença desconfortável da tal da mosca volante (ou “floater”).

Não se deixe abater. Logo, logo você se verá bem menos incomodada por ela(s). Para isso você tem que tentar esquecê-las. Não se fixe no desconforto que elas provocam. Pensamento positivo e interesse por atividades em que elas, as sensações visuais desconfortáveis ficam minimizadas ajudam bastante!
Os tratamentos cirúrgicos estão indicados apenas em casos bem específicos (incluindo o descontrole emocional grave por conta da sintomatologia) e o paciente deve ser instruído quanto aos possíveis efeitos colaterais (iatrogenias) a curto, médio e longo prazos! O risco/beneficio na grande maioria das vezes contraindica a intervenção, como no seu caso: jovem, sem lesão de risco para DR, sem tração (suposições feitas a partir do seu relato de que o oftalmologista não reportou alteração vitreo-retiniana outra que não o foco cicatrizado de retinocoroidite).

A liquefação e/ou o descolamento vítreo costuma ser bilateral mesmo que a lesão retiniana esteja apenas num dos olhos! O organismo como um todo reagiu à presença do toxoplasma gondii, embora o cisto roto tenha acontecido apenas num dos olhos (como de hábito). Por isso o sintoma (mosca volante) é bilateral.
Nada disso impede você de levar uma vida normal. Não deixe as moscas volantes atrapalharem! A maioria de nós em algum momento da vida terá esse tipo de sensação visual (mosca volante).

Apenas lembre de fazer regularmente exame oftalmológico (incluindo mapeamento de retina).

Anúncios

Olho único…o que fazer quando se tem fotopsia?

 

“Tenho 29 anos e já tenho uma visão perdida por causa de um acidente. De duas semanas para cá venho tendo fotopsia no canto do olho esquerdo ( o bom).  Fui correndo ao oftalmologista e ele me disse que provavelmente eu teria um DR. Mandou eu fazer um exame de mapeamento de retina e os resultados foram: Meios transparentes : OD com opacidades vítreas e em OE meios transparente, olho fácico, sem condensações ou hemorragias vítreas.
Papila: em OD não visualizada por opacidade vítrea difusa e emOE escavação fisiológica,rima preservada , ausência de zonas alfa e beta. Vasos : Em OD não visualizados por opacidade vítrea difusa; em OE vasos de calibre normal, trajeto sem alterações dignas de nota , relação a-v mantida. Retina: OD presença de retina deslocada ?? (mal visualizada por opacidade vitrea difusa). Em OE retina aplicada nos 360graus, com textura e coloração normais, sem degenerações periféricas dignas de nota. Mácula: OD: não visualizado por opacidade vítrea difusa.Em OE brilho e reflexo compatíveis com a idade.
Conclusão: Exame compatível com a normalidade em OE e opacidade vitrea difusa em OD. O médico disse que a medicina  hoje não tem tratamento para isso, e disse que eu teria que me acostumar. E só deveria retornar se houvesse alteração do sintoma e/ou aumento da fotopsia ou ainda se a visão ficasse embaçada. Não receitou nada. Estou sentindo algumas pontadas no olho e queria saber se devo voltar à consulta”.

 

 

A fotopsia ( percepção de clarões de luz) de causa oftalmológica é resultado de tração vítreo-retiniana. O que não necessariamente significa presença de degeneração periférica retiniana de risco para descolamento de retina. Uma vez descolado o vítreo posterior, alguns pontos de tração podem se formar e ser responsáveis pela percepção de luz à movimentação dos olhos. E nem sempre a tração evolui para rotura retiniana, ou seja, há necessidade de monitorização sim, mas de acordo com novos sintomas ou com a periodicidade indicada, conforme seu oftalmologista orientou.

Eu mesma continuo tendo fotopsia apesar de ter uma rotura já tratada com laser, bem cercada e sem nenhuma outra lesão de risco para DR.

Quanto ao descolamento de retina antigo (pelo acidente), infelizmente ainda não podemos oferecer nenhuma perspectiva animadora. Como a retina é uma “extensão do tecido nervoso”, se comporta como tal: ainda não se conhece como viabilizar a neuro-regeneração. A retina,depois de algum tempo fora do seu leito natural (onde recebe nutrição/oxigenação através da coróide, bastante vascularizada), mesmo que seja reposicionada, já não apresenta vitalidade. Não funciona mais como interface de ligação entre o olho e o cérebro.

A boa noticia é que como o DR foi secundário a traumatismo e não devido a presença de degeneração retiniana de risco, o outro olho (contralateral) deve ser monitorizado sim (afinal ele vale por dois, não é mesmo?), mas não deve ser motivo de estresse crônico para você. Com ausência de degenerações periféricas no mapeamento de retina (MR), o risco de acontecer o mesmo com o olho que enxerga é bem menor do que nos indivíduos que apresentam alterações retinianas (MR) prévias.

De qualquer forma, cuide bem da sua visão. A orientação quanto à prevenção de acidentes domésticos e de trabalho deve ser rotineira, principalmente em indivíduos monoculares.

 

Abs,

As moscas volantes e os clarões me causam pânico…não consigo ter uma vida normal!

“Desde criança vejo “moscas volantes”, mas de uns dois anos pra cá elas aumentaram muito em numero, e isso ocorre em ambos os olhos! No momento estou muito nervosa, porque vejo clarões nos cantos dos olhos quando aperto o meu globo ocular, ou quando abaixo a cabeça. O ultimo exame oftalmológico que fiz foi ha um ano, e o medico realizou um mapeamento de retina, no qual não foi constatado nada!
Não consigo ter uma vida normal, pois essas sensações me causam enorme pânico!”

Você deve ter lido (se não o fez eu recomendo que leia) os outros posts sobre moscas volantes e flashes no meu outro blog

No consultório, nós oftalmologistas talvez não tenhamos a dimensão exata das dúvidas a respeito e do desconforto e apreensão que causam as moscas volantes e os flashes no publico leigo! As estatísticas do blog mostram que nos vários mecanismos de busca (internet) foram usadas as palavras “moscas volantes” “manchas na visão” e “flashes” ou “clarões” ou “raios luminosos” para pesquisar as queixas mais comuns referentes aos olhos!

Então você e eu não estamos sozinhas! Uma imensidão de pessoas sofre do mesmo mal…

O que as distingue é a informação (que acalma), o controle da ansiedade (nem sempre fácil) e a segurança de um bom acompanhamento por retinólogo com quem desenvolva uma excelente relação profissional (ajuda muito!).

Como disse num comentário a outra internauta:

“Os flashes significam tração retiniana. O DPV parcial pode significar em algumas pessoas tração intermitente. A tração desacompanhada de rotura retiniana ou degeneração periférica retiniana de risco para o descolamento de retina(DR) tem um valor preditivo de desfecho negativo (DR) muito baixo para preocupar você. Até porque não há nada a ser feito além da monitorização através de mapeamentos de retina periódicos. E de preferência por retinologo com quem você mantenha uma relação médico-paciente de excelente qualidade, que permita maior credibilidade da sua parte. A confiança é fator fundamental no tratamento seja qual for a especialidade médica.

Quanto às moscas volantes e o aprendizado cerebral em relação a elas…sei que pode ser muito difícil! Um dos posts no blog citado acima é um relato pessoal da dificuldade em conviver com o resultado de um DPV parcial. Mas, novamente, aqui também não há muito a ser feito (infelizmente). A convivência mais dia ou menos dia terá que ser menos dolorosa e incômoda porque como se diz… ”faz parte!”. Pense que “poderia ser pior!”

Se ainda tiver dúvidas estou à sua disposição.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: