Visão, meio ambiente e olho seco

Se definirmos saúde visual como ausência de qualquer sinal ou sintoma ocular sim, a poluição e o ar seco podem causar desde uma simples irritação ocular até ulcera de córnea (em pacientes previamente portadores de olho seco mais grave).

As variações climáticas (com diminuição da umidade relativa do ar além de vento constante) assim como a poluição ambiental (áreas industriais, grandes queimadas),a calefação e fumaça de cigarro em locais fechados induzem ou agravam o olho seco. O ar seco, o frio e a poluição, juntos, dobram a incidência de olho seco no inverno em comparação aos meses mais quentes do ano.

A concentração de poluentes no ar além de aumentar a evaporação da lágrima, pode por si só causar irritação ocular levando à piora da qualidade do filme lacrimal.

A lágrima tem função importante no olho. Além de proteger de agressões externas, o filme lacrimal justaposto à córnea forma o primeiro dioptro  (sistema formado por dois meios homogêneos e transparentes) do olho. São três os dioptros oculares. A ausência (ou redução da quantidade pela evaporação mais rápida) ou ainda a má qualidade da lagrima levam à diminuição da visão ou da qualidade visual.

Ardência ou queimação, sensação de areia nos olhos, visão turva, dificuldade de fixar os olhos na leitura e/ou no computador, dificuldade de tolerar ambientes com ar condicionado, muito frios ou secos, fotofobia e cansaço visual podem ser sintomas de olhos secos.

A superfície ocular é mais afetada em mulheres na pós menopausa, em idosos, principalmente os portadores de doença neurológica degenerativa (como D. Parkinson p. ex.) e em indivíduos que fazem uso de medicamentos ansiolíticos, anti-hipertensivos, antidepressivos, contraceptivos, descongestionantes, diuréticos e anti-histamínicos (entre outros). A prevalência de olho seco aumenta em algumas doenças reumáticas e autoimunes.

Vale mencionar que a Síndrome de Sjogren (que cursa com sinais e sintomas mais graves de olho seco) tem evolução e prognostico diferentes do olho seco ambiental e do olho seco secundário a medicamentos ou doenças da superfície ocular. A blefarite crônica é uma dessas doenças, um tipo de inflamação dos cílios que pode alterar a composição da lagrima (aumentando a fase lipídica ou gordurosa) fazendo com que ela evapore mais rapidamente aumentando a sensação de olho seco.

 

 

Algumas dicas para reduzir os sintomas de olho seco:

 

-Usar lagrima artificial prescrita pelo seu oftalmologista

-Beber mais agua

-Usar umidificadores de ambiente

-Evitar ar condicionado e ventiladores

-Usar óculos com ou sem proteção lateral, mesmo sem grau, para reduzir a exposição

do olho e retardar a evaporação da lagrima

-Aumentar a ingesta de ômega 3 via alimento (linhaça, óleo de fígado de

bacalhau,peixes como atum e salmão) ou sob a forma de suplementos, sempre sob a

supervisão de um médico e de um nutricionista

Leia mais a respeito:

http://www.saudemedicina.com/olho-seco-doenca-dos-olhos/

http://www.saudevisual.com.br/noticias/55-poluicao-afeta-olhos

http://www.noticiario.com.br/dicas.asp?cod_dica=97

http://www.cemahospital.com.br/olho-seco/

http://www.uniaoquimica.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=119%3Asindrome-do-olho-seco-e-um-dos-problemas-oculares-que-mais-crescem-no-inverno&catid=75%3Anovidades&Itemid=241&lang=br

Anúncios