Como cuidar da visão?

 

A cronologia da avaliação oftalmológica segue um roteiro:

-Nas primeiras 48 de vida, ainda na maternidade (teste do reflexo vermelho, mais conhecido como teste do olhinho) para descartar alterações que devem ser tratadas o mais cedo possível para evitar o comprometimento da visão a longo prazo ou mesmo a cegueira.

-Se o pediatra não identificar necessidade de visita oftalmológica antes, a primeira consulta deverá ser entre os 3 e 4 anos de idade. A criança deve ser avaliada para ter garantida a sua competência visual (ambos os olhos) e com isso evitar o comprometimento irreversível da qualidade da visão binocular. Esse seguimento deverá ser feito até os 8 ou 9 anos de idade, anualmente. Depois a visita passa a acontecer por conta da orientação do médico assistente  ( pediatria e clínica de adolescentes ).

-Na idade adulta, o exame oftalmológico periódico é feito pelo menos a cada dois anos para avaliação do fundo de olho, que pode ajudar na investigação de doenças sistêmicas, além de, depois dos 45- 50 anos identificar indivíduos de risco para desenvolvimento da degeneração macular relacionada à idade (DMRI), além da medida da pressão intraocular (PIO) como triagem para o glaucoma e da biomicroscopia que identifica catarata e outras patologias oculares. Depois dos 50 anos a visita deve ser anual.

Mas em linhas gerais, os cuidados que devemos ter para manter a saúde dos olhos incluem:

-Check-ups oftalmológicos anuais

-Uso regular de óculos escuros com filtro UV (de preferência com proteção lateral)

-Alimentação balanceada para garantir a nutrição celular adequada à manutenção da qualidade visual retardando assim o processo de envelhecimento ocular

-Evitar o sedentarismo

-Evitar o fumo

-Manter hábitos que garantam um sono de boa qualidade

-Controle clinico para evitar doenças degenerativas que pioram a qualidade visual, como a aterosclerose, a hipertensão arterial e o diabetes mellitus, p.ex.

Vocês devem estar se perguntando se não errei ao listar os últimos cinco itens da lista acima. O que eles poderiam ter a ver com a visão, podem estar imaginando. A Medicina precisou segmentar o indivíduo (em especialidades e subespecialidades) para conseguir dar conta da quantidade de informação hoje disponível a respeito do corpo humano. Mas, na verdade, quase todos os médicos, seja de qual for a especialidade, acabam dando as mesmas orientações que são sinônimo de saúde a longo prazo.

Em todas as áreas do conhecimento médico, cada vez mais surgem dados que nos lembram que nenhum órgão está isolado do organismo que o contém.

Todo o organismo sofre com o declínio fisiológico relativo ao envelhecimento. Mas ele pode ser retardado e minimizado se mantivermos ao longo da vida hábitos simples e conhecidos há milhares de anos. A novidade em Medicina relacionada à qualidade de vida na senilidade é que não há novidade: a saúde depende mais de nós, de como vivemos, dos nossos hábitos do que tão somente da nossa genética e do que a Medicina pode nos oferecer em relação à prevenção.

Diagnóstico precoce é o que se faz nos consultórios, através de bom relacionamento médico-paciente, escuta atenta às queixas e exames complementares, quando necessário. Esse é o momento em que os médicos buscam diagnosticar as distorções do funcionamento ideal da máquina humana e minimizar os danos potenciais das doenças em curso.

Mas a prevenção cabe a nós, indivíduos, conscientes que já estamos da necessidade de tomar providencias que mantenham em bom funcionamento o nosso organismo. A saúde não se vende. É moeda de troca. Exige algum esforço mas a recompensa sempre vem na forma de qualidade de vida e de envelhecimento saudável. Longevidade com saúde.

E em relação aos olhos não é diferente!

Seja qual for nosso “erro de fabricação”, a miopia, a hipermetropia, o astigmatismo ou o estrabismo, p.ex., depois da atenção necessária do oftalmologista com a regulação ideal e possível relativa a cada diagnóstico, cabe a nós mantermos a qualidade visual ao longo do tempo.

Fazemos isso através da otimização da nutrição das células do olho, uma vez que sabemos que o que regula a saúde celular é o controle da oxidação (causada diariamente seja pelo estresse visual, seja pela luz visível e pelo espectro da radiação invisível ou pela alteração do aporte de oxigênio ao olho). Os grandes antioxidantes dos olhos, são os carotenoides (como a luteína e a zeaxantina) e o glutation. Exemplos de carotenoides são a couve e os outros vegetais verde escuros, a abobora e legumes alaranjados e ovos para citar apenas alguns. O glutation se obtém no consumo de salsa, gema de ovo, pimenta, alho, cebola e brócolis, uma vez que a ingestão do aminoácido cisteina (contido nessas fontes) regula a quantidade de glutation formado no fígado. E várias outras substancias que agregam qualidade à função ocular.

Mas, cuidado! Consulte a sua nutricionista sobre a combinação ideal de nutrientes para você! Especialmente se está em uso de alguma medicação. Você sabia que os vegetais de folha escura são contraindicados para quem faz uso de anticoagulantes? Ou, se forem usados, há necessidade de ajustar a dose do medicamento?

Um especialista em nutrição é de grande ajuda!

Portanto uma boa alimentação é necessária à manutenção da visão, assim como o exercício físico (principalmente o aeróbio, no caso dos olhos) por conta da necessidade de garantir um bom fluxo de sangue e oxigênio ao cérebro (onde se processa a visão) e aos olhos (onde se captam as imagens a serem processadas).

Os raios ultravioleta aceleram o envelhecimento dos olhos. Portanto o uso de proteção através de óculos com bom filtro UV é mandatório!

O hábito de fumar é um grande inimigo da visão. Eu poderia listar várias patologias oculares que têm na nicotina e no alcatrão vilões que pioram (e muito) o dano celular a médio e longo prazos. Desde as neuropatias ópticas até a degeneração macular relacionada á idade (DMRI), ambas podendo levar à cegueira irreversível, passando pela antecipação da catarata (esta reversível através do tratamento cirúrgico). Além das alterações retinianas devidas às doenças vasculares e metabólicas como a hipertensão arterial, o diabetes mellitus, a arteriosclerose que são agravadas pelo habito de fumar.

Quanto ao sono, costumo dizer que é durante a noite, quando dormimos, que recuperamos os múltiplos danos celulares que acontecem no dia a dia. Um sono de qualidade nos permite reparar as falhas e quase “zerar” o organismo para um novo dia de agressões inevitáveis. Dormir mal (e pouco) significa acumular danos e antecipar doenças.

Em resumo, a prevenção (e controle) da doença ocular degenerativa crônica (seja ela a catarata, o glaucoma, a DMRI e outras) está diretamente ligada à prevenção e controle das doenças sistêmicas mais prevalentes em nosso meio. A reeducação alimentar, a eliminação do sedentarismo e a modificação dos valores básicos do “modus vivendi” atual são necessárias para uma mudança real no cenário da saúde (em geral e dos olhos também!).

E não podemos esquecer de que quanto mais medicação usamos (seja para o que for) maior a frequência de efeitos colaterais, oftalmológicos inclusive. Não são poucos mas infelizmente são menos difundidos. Então quanto mais adoecemos, mais remédios usamos e a tendência é acelerar os efeitos negativos da interação dos medicamentos entre si e com os órgãos, incluindo os olhos.

Então, como lentificar o processo de envelhecimento do olho (e do cristalino)? Eu posso chegar mais longe mantendo um mínimo de transparência que me permita levar uma vida normal em termos de exigência visual? Se eu usar, desde cedo, lentes que filtrem os raios UV, se eu conseguir reduzir ao máximo o uso de alguns medicamentos sabidamente aceleradores do processo de glicação das proteínas dentro do cristalino ,que leva a diminuição da sua transparência (catarata); se eu me alimentar de forma a mudar as vias bioquímicas do meu organismo, diminuindo o aporte de alimentos pró-inflamatórios; se eu, enfim, buscar conhecer melhor o funcionamento do MEU corpo e aprender como ajudá-lo em sua tarefa de me manter em equilíbrio…será que eu consigo ter mais qualidade de vida quando for idoso…será que eu posso ter minha catarata atrapalhando minha visão só quando eu for centenário (ou nem assim)? A resposta é SIM!

Em outras palavras, todos os dias nós podemos, sem nos darmos conta, estar antecipando ou contribuindo para desacelerar o processo de envelhecimento natural do organismo.

É mais fácil (e mais inteligente) manter a saúde do que cuidar da doença, vocês não concordam?

Não devemos procurar o oftalmologista apenas quando existem queixas visuais, ou simplesmente precisamos trocar os óculos…

Envelhecer enxergando bem…esse é o objetivo de todos nós e o compromisso de todo oftalmologista com cada indivíduo sob seus cuidados!

Leia mais em:

http://elizabethnavarrete.com/como-anda-a-sua-visao/

http://elizabethnavarrete.com/2013/06/05/oftalmologia-preventiva-como-se-faz/

http://elizabethnavarrete.com/2010/08/11/oftalmologiasenilidade-e-qualidade-de-vida-futura/

Anúncios